«

»

Imprimir Post

Lançamento do Livro “Compartilhando êxitos”

 

É com muito orgulho que a Cooperação Interfederativa HIV/Aids do RS realiza o lançamento do livro “Compartilhando Êxitos”, que dá visibilidade às experiências exitosas dos 15 municípios prioritários em HIV/Aids do estado e da própria Cooperação Interfederativa.

 

Assumimos o compromisso público de enfrentamento da epidemia de HIV/Aids no RS tentando sempre inovar, ampliar e contribuir para tal. Para isso, nos dedicamos e tivemos a colaboração de muitas pessoas e instituições, afim de dar respostas aos desafios atuais e futuros.

 

Convidamos a todos a participar deste momento, que será realizado:

 

Data: 07/03/2017

Hora: 10h30min

Local: Memorial do Estado do Rio Grande do Sul,

Rua 7 de Setembro, 1020 – Praça da Alfândega, Porto Alegre – RS, CEP 90010-150

Após o lançamento, o livro será disponibilizado como e-book para download.

 

A taxa de incidência de Aids no Rio Grande do Sul vem apresentando redução progressiva, passando de 43,1 novos casos por 100 mil habitantes em 2012 para uma taxa 34,7 em 2015, deixando o estado do Rio Grande do Sul com RS com a maior taxa de incidência da doença do Brasil.

Há, também,  a tendência de queda da taxa de detecção de Aids em menores de cinco anos no RS. O dado tem sido utilizado como indicador para monitorar a transmissão vertical (de mãe para filho) do HIV, sendo que o RS apresentou uma redução de 59,1%, passando de 13,2 para 5,2 por 100 mil habitantes, entre os anos de 2003 a 2015. No Brasil, esta taxa passou de 5,6 para 2,5/100 mil habitantes, no mesmo período.

Já a taxa de detecção de gestantes com HIV no Brasil vem apresentando tendência de aumento, sendo de 2,1 casos para cada mil nascidos vivos em 2006, passando para 2,7 em 2015. O RS ocupa o 1º lugar no ranking dos estados com a maior taxa de detecção de HIV em gestantes desde 2000, atingindo seu ápice em 2015 com 10,1 por mil nascidos vivos.

Na perspectiva do compromisso assumido na “Carta de Paris”, no Rio Grande do Sul, está ocorrendo uma melhora dos indicadores de saúde relacionados às 90 mil pessoas que vivem com HIV/AIDS, em 2015. Deste total, 83% tiveram o diagnóstico estabelecido. Dos diagnosticados, 92% foram vinculados a um serviço de saúde. Entretanto, 77% mantiveram-se retidos no serviço. Dos 64% de usuários que possuem diagnóstico e se encontram em terapia antirretroviral, 56% atingiram a supressão da carga viral.

Os esforços para o enfrentamento da epidemia de Aids ocorrem pela dedicação das equipes de saúde, dos gestores e todos aqueles que sistematicamente contribuem para a melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Nesta publicação, são apresentadas ações municipais nas cidades que concentram o maior número de casos. Esse compilado apresenta a narrativa de experiências do cotidiano referentes as ações estratégicas de enfrentamento da epidemia, realizadas pelos municípios.

A cidade de Alvorada apresenta sua experiência com familiares e cuidadores de crianças e adolescentes vivendo com HIV/Aids, por intermédio de 6 oficinas realizadas pelo serviço de atendimento especializado. Mostra a sua contribuição para a melhoria das iniquidades e empoderamento dos responsáveis.

Em Cachoeirinha, pode encontrar o relato da implantação do atendimento da profilaxia pós-exposição sexual  como medida de prevenção que consiste no uso de medicamentos até 72 horas após a relação sexual, para reduzir o risco de transmissão do HIV.

No município de Canoas, encontra-se o relato da implantação do cuidado das pessoas vivendo com HIV/Aids entre a rede de atenção básica e os serviço de atendimento especializado. Mostra os passos da construção coletiva da experiência desde o conselho municipal de saúde até a equipe da unidades de saúde da atenção básica.

Na serra gaúcha, em Caxias do Sul, há o relato do serviço de atendimento especializado para melhorar o acompanhamento das pessoas que não mantinham uma vinculação efetiva com a equipe de saúde, por intermédio da mudança no processo de trabalho do serviço.

O serviço de atendimento especializado da cidade de Esteio descreve como reestruturaram suas atividades para melhorar o compartilhamento do cuidado com a rede de atenção básica.

A integração dos serviços de atendimento em IST/Aids, hepatites virais e tuberculose foi o relato das mudanças ocorridas na reorganização na rede no município de Gravataí.

Na cidade de Guaíba, temos o relato da criação do “dia da saúde – dia de todos” que integra as equipes da rede de atenção básica com aquelas do serviço de atendimento especializa em uma atividade mensal junto à comunidade.

Da fronteira com o Uruguai, Santana do Livramento apresenta o projeto para controle da transmissão vertical do HIV, que evolvem diversos atores, como os serviços municipais de saúde, coordenadoria regional de saúde da SESRS, hospital e conselho tutelar.

A descentralização da testagem para HIV e sífilis é o relato de Novo Hamburgo com a capacitação das equipes e inicio das testagem na rede de atenção básica.

A capital gaúcha, Porto Alegre, mostra a experiência na abordagem estratégica junto à população jovem com a ação “Fique sabendo Jovem”. Chegando nas comunidades e oferecendo informação, testagem e qualificação do cuidado.

No município de São Leopoldo, o serviço de atendimento especializado descreve sua experiência para melhorar a adesão ao tratamento antirretroviral com ações junto ao hospital da cidade e articulação com a rede local.

O comitê de investigação da transmissão vertical do HIV e Sífilis da cidade de Uruguaiana mostra sua articulação e ações na rede de saúde.

Inovação é a marca de Viamão, com propostas marcantes junto à população e articulada com a rede de atenção. Mostra a experiência de ações educativas interativas e lúdicas com forte impacto junto aos participantes.

Integração é a marca da experiência da cidade do Rio Grande. Apresentam a lógica de atuação da unidade básica de saúde junto ao presidio estadual no município em parceria com a superintendência de serviços penitenciários da secretaria de segurança e o hospital universitário.

Elson Romeu Farias

Diretor do Departamento de Ações em Saúde

Link permanente para este artigo: http://observatorioaids.saude.rs.gov.br/?p=415

8 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Marta Batista

    Parabéns pelo trabalho, importante compartilhar as experiências.

    1. Cooperação Interfederativa

      Obrigado, Marta.
      Esperamos que tenha gostado!

  2. BETINA BERLITZ

    Olá, não encontro o ebook para download. Onde posso encontrar no site?

    1. Cooperação Interfederativa

      Boa tarde, Betina.
      Agora já está disponível a versão digital do livro Compartilhando Êxitos!
      Podes acessá-lo através deste link http://observatorioaids.saude.rs.gov.br/?p=469
      Boa leitura!

  3. Silvia Moraes

    Gostaríamos de receber um exemplar do livro “compartilhando êxitos”

    1. Cooperação Interfederativa

      Olá, Silvia.
      Entraremos em contato via e-mail para combinar.

  4. Patricia Werlang

    A publicação será disponibilizada no Line?

    1. Cooperação Interfederativa

      Boa tarde, Patricia.
      Já está disponível a versão digital do livro Compartilhando Êxitos!
      Boa leitura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *